Flutua 04/01/19 – 00:03

Eu só queria o silêncio de uma noite tranquila. Gritos, brigas, confusão, não amor, isso tudo me deixa exausta. Sinto algo muito pesado que vem do meu peito. Tem momentos que eu só queria um afago, me sentir segura. A vida é tão dura, me sinto tão pequena. Acho que fico a procura de um caminho que mude minha vida, queria esquecer os meus erros. Queria flutuar de alguma forma e mudar as coisas. Palavras magoam tanto, me ferem mais que uma dor física. Meu choro é interno, e tudo isso tem sido difícil de carregar. Eu sempre penso no bem das pessoas, não digo coisas que possam ferir alguém, foram só algumas palavras mas foram o suficiente pra me machucar. Odeio sentir dessa forma as coisas, as pessoas, tudo a minha volta. Imagino aqui nesse momento, se eu pudesse me fundir ao universo, queria explodir, e de alguma forma encontrar paz, talvez um propósito. Podia até virar poeira de espaço, não teria problema, lá no alto é longe de tudo, é silencioso, tranquilo. Tento escapar, respirar, tudo no meu caminho parece um túnel escuro que me sufoca e controla minha mente. Mas eu sigo tentando respirar, e tudo é tão rápido, percebo as coisas mas tudo parece tão irreal. Me sinto sozinha em meio a tudo isso, não consigo entender. Talvez seja isso mesmo, é tudo confuso e não tem pra onde fugir. Eu fecho os olhos, encho os pulmões de ar, sinto a vida entrar e sair de mim. O que será que acontece se eu fechar os olhos e nunca mais abrir? Será que eu vou dormir eternamente? Será que eu vou simplesmente sumir, me tornar nada? Mas o nada é algo, é nada! Entende? Isso me enlouquece. Só queria aliviar um pouco essa sensação estranha que habita em mim. Sufoca minha existência, e só de pensar já fico sem ar. Parece que minhas palavras se repetem. Eu não sei mas escrever me deixar um pouco mais leve. Eu acho que eu precisava mesmo flutuar por aí, me fundir a tudo, sabe tudo? Pois é, tudo mesmo. Enfim, isso tudo me atormenta, to cansada de sentir. Tento vontade de chorar, mas não consigo. Sou frágil, um pouco fraca, me sinto cansada da maioria das coisas, tudo parece tão igual, sei lá… Certas coisas me deixam tão nervosa, a energia das pessoas está me contaminando, me deixando apertada, e tudo isso dói em tamanhos absurdos. Queria não sentir mais nada, o infinito é tão grande, as vezes acho que carrego mais segredos que o espaço. As vezes eu acho que estou esquecendo como se vive. Mas sabe, não existe uma regra, mas as pessoas parecem robôs. Queria esquecer as feridas da vida.

Anúncios

Odara 20.10.2018

Um dia desses estávamos lá…

Eu estou aqui, em mim, permaneço em mim.

Minha jaqueta é azul e minha casinha é vermelha. Eu uso um cropped branco com uma saia cinza. Meu sorriso é dourado e minha felicidade se confunde com umas tristezas e sinto minhas cores flutuando no ar.

Fazemos coisas, compramos em brechós, usamos drogas, comemos como uma família.

A vida é cheia de surpresas e é como uma caixinha de merda que vamos acumulando ao longe do dia.

Eu adoro ficar chapada e viajar nas minhas paranóias. Penso muito na vida e fico brincando de achar um significado pra isso tudo.

No fim eu acabo é não entendendo nada, tudo é muito confuso e chega a ser dolorido as vezes.

Eu acredito nas pessoas, acredito em você, sabe, fazemos o que fazemos porque queremos, temos sempre muitas escolhas.

Sinto falta do seu abraço e do seu sorriso aberto. De olhar nos seus olhos brilhando as vezes até cantando coisas infantis.

A vida é isso, é pra ser sentida, é pra errarmos e acertamos. Seguir um dia de cada vez.

O silêncio as vezes é perturbador, as vezes ouço coisas na minha cabeça que me atormentam. São coisas que não sei explicar, apenas sinto.

Minha pele está tão macia agora, mas está fria, o vento é gelado mas minhas mãos até que estão quentes.

Eu só queria descansar, ouvir umas canções e brincar com você. Rir de qualquer coisa, falar das coisas, ser o que tiver que ser.

Eu me permito ser o que for, o momento vai, e outros surgem, e é isso.

Eu só quero viver um dia de cada vez, sentir, me permitir, ser.

Beijos

Água Rosa

Viver.
Já parou pra pensar nessa palavra?
Já tentou buscar outras palavras pra dar sentido e significado a ela?
Pois bem, eu penso em diversas coisas todos os dias, o que é natural. Tem dias que o sentir fica mais intenso dentro de mim.
Eu mudo um pouco, fico mais quieta, falo menos, observo mais. É meio louco, vejo as pessoas, sinto o vento, sinto o tempo passar a cada instante, se eu parar e olhar o céu posso sentir a terra girar ao meu redor. Me sinto um pequeno ponto no universo, ali parada, sentindo, vendo tudo, e parece que ninguém percebe isso.
As vezes acho que vou enlouquecer, mas eu sempre me perco dentro de mim e me encontro novamente.
Estou em um momento da vida que não quero abrir mão do meu bem estar íntimo.
Escrevo e tento passar um pouco do que fica aqui dentro de mim.
Sinto como se estivesse tudo meio misturado, meus pensamentos ficam soltos e me sinto embaralhada em meio a tantas sensações.
Tenho meus sonhos, meus desejos loucos, faço coisas que me provocam as experiências mais loucas. Eu vivo sem medo do novo, mas também não sou de me arriscar de mais. Não sou de fazer as coisas em cima da hora ou tomar decisões loucas precipitadas. Tá, tudo bem que as vezes acontece, mas penso muito antes de agir ou dizer algo.
Como eu gosto de sentir as coisas ao meu redor, as pessoas, sentir o ar entrar nos meus pulmões me enchendo de vida, sentir a brisa que toca meu rosto, meu corpo, que faz meu cabelo balançar.
Sinto de maneira intensa as coisas e adoro dizer isso, quem me conhece sabe que sou diferente, claro, somos todos diferentes, mas realmente me sinto muito diferente de todos ao meu redor.
Fico pensando, será que as pessoas enxergam tudo que eu vejo, será que elas sentem tudo o que eu sinto?
Eu não sei, talvez sim, outras talvez não, talvez eu nuca saiba e está tudo bem.
Esse último final de semana foi tão intenso na minha existência. Me permito viver as coisas, me solto, é como dançar no ar, como a fumaça que solto da minha boca, ela flutua e sobe linda e delicada bem na minha frente, e se atreve a sumir e se fundir ao universo.
E tudo isso eu sinto em instantes, é tudo tão rápido, tão incrível, me causa um deleite profundo, parece que estou derretendo.
Estou aqui lembrando das sensações que tive, é magnífico pensar como a música nos move para muitos lugares.
Em momentos sinto como se saísse do meu corpo, voasse por vários lugares. Posso ver meu corpo ali dançando de olhos fechados, sou eu, sim sou eu. Flutuando ao meu redor, me vendo, sentindo os graves do som passar sob minha pele. Sinto como se o som se fundisse da minha pele até o mais intimo de cada célula do meu corpo. E tudo isso indo e voltando várias vezes. Flutuo mas também sinto meus pés no chão, e é tudo tão grande, sinto me expandindo em vários pedaços, a todo instante com a música, indo e vindo, num fluxo loucamente perfeito.
Ah! E você estava lá! Sim você estava. E como estava bonito, sorrindo, feliz, empolgado. Adoro isso em você, te ver sorrindo, que energia, que delícia de abraço, de beijo, muitas sensações.
Água rosa…
Adoro essa coisa louca que acontece quando nos vemos, como pode isso, me pergunto…
Como é bom sermos quem somos, me sinto leve, gosto de ouvir suas histórias, gosto de contar as minhas, dar risada de tudo.
Apenas deixar as coisas serem o que tiver que ser, escolhemos e tudo está aí suspenso no ar em partículas.
Eu digo as coisas de um jeito que é tão meu e eu gosto disso, adoro escrever o que sinto e ler depois. Tenho uma sensação de dever cumprido, consegui colocar um pouco do que sinto através de palavras. E que palavras loucas, quem as escolheu, quem as criou? Porque, nossa, cada palavra tem um significado, um sentido, já parou pra pensar, isso é muito louco, e tudo bem. Eu escolho as palavras, elas surgem e deslizam dos meus dedos, minhas mãos sabem exatamente o que fazer, sabem cada tecla do teclado que devem percorrer, meu cérebro está programado, eita! Percebeu?
Não consigo pensar em mais nada, só em como é bom estar deitada ao seu lado, ouvir as badaladas do sino da igreja, perceber que as horas estão passando e apenas viver. Permanecer ali deitada, confortável e tranquila no seu colo.
Algumas memórias tem sabor, e que sabor! Essa tem sabor de café, tem sabor de sono, tem sabor de paz, sabor, apenas sabor.
Muitos momentos, muitas conversas, muitas risadas, isso tudo é muito bom de se viver com você.
Gosto de falar o que vem, gosto de observar você.
Lembro que em meio ao meu estado embaralhado naquela noite, consegui lhe dizer uma coisa que admiro em você.
Eu pensei muito pra dizer aquilo, e consegui falar cada palavra com calma e significado.
Adoro o jeito como as coisas fluem, gosto de escrever tudo isso, gosto, e tu gosta num gosta?(risos)…
Acho que é isso.
É hora de dar tchau!
(Cantou na sua cabeça? Pois eu sim).
entendedores entenderão…

Dark Room

Não sei dizer exatamente o que estou sentindo, mas vou tentar porquê escrever alivia um pouco esse peso estranho. Eu conheço e me envolvo com pessoas de maneira intensa. Mas não é qualquer pessoa que me entrego. É algo que acontece, sinto uma troca de energia, sinto a pessoa em mim, eu vejo a pessoa por inteiro, vejo algo íntimo que permanece em mim, eu nunca sei o que fazer com esse sentimento. Sinto um vazio tão grande, ninguém come da minha carne ou bebe do meu sangue, mas as vezes é como se levassem um pouco disso tudo que é meu e eu levasse parte da pessoa comigo. Daquela cama eu tenho sentido falta, que louco isso, a noite seu cheiro me procura, é como se pudesse sentir seu toque, sua pele na minha. Isso eu não sei, vai saber, que sensação estranha, tenho vontade de sair daqui correndo, sumir, ir pra Veneza por exemplo, seria bem louco. Mas não dá pra fugir de mim mesma, a vontade e o sentimento tá dentro, e não dá pra tirar como se fosse uma peça de roupa. Permanece em mim e, ui, porque eu sou assim? Sinto as pessoas de um jeito diferente, tão forte, eu vejo coisas e sinto coisas que sei que vão acontecer e acontecem, eu odeio isso. Odeio, de verdade. Senti algo com você que não sei dizer, que loucura. Tocar seu rosto, sentir esse calor, essa proximidade, ouvir e sentir sua respiração no meu pescoço, que sensação incrível. Te pegar no meu colo, deitar no meu peito, descansar a cabeça, sentir seu coração bater, beijar sua testa, e coisas que não se medem em palavras, mas é isso. Percebo uma coisa, como precisamos do toque na pele, desse olhar dentro dos olhos, de falar da vida, falar das coisas vividas, apenas falar o que sentimos. Eu disse coisas que poucas pessoas sabem, você também disse coisas íntimas que não se diz pra qualquer pessoa. Eu gosto de conexões, com você me sinto bem, eu escrevi e parece que estou te dizendo essas coisas. Mas estamos longe, temos nossas vidas, respiramos nossos ares, só quero me sentir bem e livre, falar da vida, dos medos, compartilhar coisas e momentos, falar das coisas. Talvez hoje a noite, eu não sei, as estrelas parecem que estão mais perto, é como se eu pudesse abrir a janela pegar uma e deixar no quarto. Imagina só como seria lindo, podíamos apenas nos deitar colados um no outro, colocar qualquer música, e ficar ali, admirando essa estrela, esse poder todo, essa energia, sentir, viver, sonhar, falar, eu não sei, são só palavras, coisas que vem no pensamento mas que transmitem um pouco desse sentimento que não tem descrição. São várias coisas, é isso, e é tudo, e também é pouco, minha mente é rápida e eu fico confusa. Mas tá tudo bem, as vezes queria voar pelo mundo, e gritar pro universo, como é bom viver! Mas ao mesmo tempo me sinto estranha, me conecto com as pessoas mas me sinto muito sozinha, eu sei que falta algo na minha vida, e é uma realização pessoal, porque eu não me sinto feliz, não me sinto realizada. As coisas mudam, eu me sinto vagando, flutuando, sinto sua falta, as memórias tem sabor de café e eu só queria saber se você correria junto comigo, mas eu não sei. Parece que eu estou sempre correndo de mim mesma. Eu não posso me perder, se não eu perco tudo. Ouço vozes e choros na minha cabeça, e as luzes são tão fortes… Seja onde eu for, elas estão dentro de mim, são chances passando na minha frente e eu corro, corro tanto, tanto, respiro fundo, sinto algo como um desespero que não tenho, não encontro palavras pra descrever, é tão grande isso dentro de mim… Eu sinto tudo, e não sei explicar o que é esse tudo, é desesperador, angustiante, queria te dizer essas coisas. Não sei porque escrevo coisas assim, mas essas coisas estão dentro de mim, apenas tento passar o que sinto. Gosto de escrever e depois de um tempo ler o que escrevi, já passei por tanta coisa, e o mundo é testemunha disso. Não sei porque mas estava pensando em você e quis escrever, as coisa surgem, eu lembro dos momentos, e apenas escrevo o que sinto, e isso é muito bom, tá tudo bem, pelo menos por enquanto. As vezes eu queria não me importar com as pessoas, mas é algo que eu não sou, e não dá pra mudar. Sinto como se tivesse uma corda invisível que nos uniu de alguma forma, talvez de um jeito somente meu, e sim apenas meu, porque tá tudo dentro de mim não é mesmo… Acho que sou muito difícil de ser compreendida, e sabe, acho que já aceitei, mas ao mesmo tempo é estranho, da vontade de chorar, eu pergunto porque eu sou assim, tão intensa em tudo que eu faço, me permito sem medo de fazer as coisas, sempre sou eu por inteiro, sem medo ou vergonha. Sou eu, completa, nua na sua cama, não é só um corpo, é um inteiro, é meu íntimo, não consigo palavras pra descrever. Você também se doa, se entrega, sinto você tão frágil em meus braços, não vejo mais nada, só penso como é bom ter você ali. Eu permaneço chapada nessa vida, se pudesse ficaria o tempo todo, e tudo isso pra tentar preencher algo dentro de mim. Mas eu sempre volto pra casa sozinha, a diversão parece não ter fim, eu só queria diminuir a dor que sufoca meu peito. Essa dor que eu não sei, as coisas vão, os momentos vão, as pessoas vão. Ficar louca, chapada o tempo todo não vai ajudar em nada, não achar nada, só mantenho a mente ocupada e tudo isso passa quando acordo. O tempo é cruel, e eu não sei o sentido da vida, eu sei o que eu quero, eu sei o que vai me fazer feliz e realizada. Estou atrás disso, mas parece que está tão longe de mim, enfim… As vezes o peso é tão grande, parece que não vou suportar, mas eu vou lá, aguento, vivo mais um dia, supero mais um desafio. Viver é tão difícil mas é tão lindo. As vezes quero muito viver, mas também tenho dias que ta tudo tão pesado que eu só queria não sentir nada, não tenho vontade de nada. É tão bom viver, eu queria te abraçar, dizer pra você que nesse jogo nós somos vencedores, e nada nem ninguém pode mudar isso. Mas eu não me sinto uma vencedora, sou fraca, sou frágil, e as coisas parecem perder o sentido. Tem momentos, eu penso, estou tão cansada de sentir as coisas, é tudo tão grande e tão pesado, dói. Queria não sentir mais nada. Mas e depois? Eu sumiria, não seria mais nada, parte de nada, sabe que horrível isso aqui dentro. Queria acabar com isso, agora está tocando uma música do David Bowie, heroes. Pois é heróis, por um dia, mas pra quê? Olha eu sei, é tanto, e essa música me diz tanto, e me sinto tão nada, disse tanto mas parece que não disse nada, minhas palavras se perdem no ar, se perdem dentro de mim, me sufocam, e depois somem. E por um dia eu queria me sentir completa, de certa forma eu sou completa, mas falta um pedacinho pra dar sentido na minha vida. Eu quero falar com as pessoas, quero tocar as pessoas, fazer com que elas sintam as coisas, é tanto, tanto, tanto… É isso.

Avocato

Sabe, eu não sou perfeita. Sou uma coisa coisada, um saquinho dos mais diversos sentimentos.
Eu nem sou tão bonita assim. Não me sinto tudo isso, nem sei porque tô dizendo isso.
Eu sinto falta das conversas, dos momentos que foram nossos e de mais ninguém.
Eu odeio rótulos, e antes de mais nada somos amigos, eu pelo menos tento, e acho que é assim.
Às vezes me odeio por sentir as coisas ao meu redor. Odeio me sentir insegura e confusa. Odeio saber que disse algo que te ofendeu.
Sei que você passou maus bocados esses últimos meses, eu entendo, me preocupo, você sabe.
Queria que você me falasse tudo que tem pra dizer, mas falar sem medir, apenas falar.
Você diz coisas, algumas coisas, mas nunca disse tudo eu acho, e eu nunca soube o que é, porque você nunca disse. Ficou pela metade e eu não sei.
Você tá meio estranho, daí eu fico estranha e você fica estranho de novo, e tudo fica estranho por coisas que nem sabemos, mas, tá tudo realmente estranho.
Você fala comigo e parece que não tá ali, eu falo coisas e você diz outras, nada haver, é como se esquecesse, e eu nem sei dizer.
Parece que eu fiz algo, mas eu não sei o que.
Meu erro talvez seja me importar demais com as pessoas, eu me entrego por inteiro mas de maneira que é natural pra mim.
Eu não quero nada em troca, eu faço tudo o que faço porque quero, porque sinto.
Sinto algo estranho, eu já nem sei.
Penso em me afastar, mas eu não sei como, não sei se devo. Parece que tô lhe fazendo mal. Eu não quero me afastar.
Eu sei que não temos nada, mas tem algo que acontece que é gostoso.
Mas ao mesmo tempo tá assim.
Tá tudo embaralhado dentro de mim, eu sei que você passou por dias difíceis, você se afastou de uma maneira que eu não sei, as coisas acontecem, mas tratar com indiferença é escolha. E eu fico estranha se sinto que algo está diferente.
Eu nem sei porque tô dizendo tudo isso, mas é isso.
Como agora, eu disse algo, e você disse algo, mas você falou coisas que não tinha nada haver, parece que apenas disse por dizer qualquer coisa pra acabar logo, mas aí sou eu a culpada? Sabe, eu não sei.
Eu não sei o que tá havendo, eu só quero que essa coisa estranha passe. Se você quisesse conversar, falar qualquer coisa eu ia ouvir, eu vou ouvir, me tratar assim, falar como se não estivesse ali, falar qualquer coisa pra se livrar, só piora, posso estar errada mas é o que parece.
É difícil tentar dizer como me sinto, sabe, eu não preciso disso, você não precisa disso, parece que é mentira às vezes as coisas que você me diz, me corrige se eu estiver errada, me diga as coisas. Cheguei num ponto que não dá.
Eu gosto da sua companhia, gosto dos nossos momentos, sinto falta sim dessas coisas, sinto sua falta. Você mudou comigo e eu não sei porque, às vezes parece que tá tudo de boa mas aí fica tudo estranho como agora. Talvez eu tenha mudado também, se eu sinto que mudam comigo eu meio que já mudo também.
Você tem a escolha de falar as coisas mas escolhe não dizer, escolhe calar. Eu escolhi falar aqui, escrever aqui. Como você vai receber eu não sei, eu só estou tentando dizer como me sinto.
Odeio quando falo algo e você diz outra coisa nada haver, odeio e não sei porque. Mas não te odeio, isso não, não mesmo.
Só diz pra mim o que é, não guarda, promete que me diz, tá foda sabe, se pra você tá foda, te magoei, me diz, mas diz tudo, por mais que machuque você, me diz, mesmo que você ache que vai me machucar me diga, apenas diga.
Se pra você não é nada, só diz, se quer se afastar, xingar, só diz, sei lá, se quiser escrever escreve, mas não faz assim que eu reajo da pior maneira, reajo de um jeito que fico tensa, …
Te admiro, admiro sua força, desde que você mudou pros migos as coisas ficaram diferentes, sei que não é culpa sua, nem minha, as vezes as coisas só acontecem, mas ficar calados sem dizer nada não vai ajudar em nada.
Desculpa se eu falo demais, ou calo às vezes, eu calava porque não queria te magoar, porque sentia você longe e não me via no direito de te dizer alguma coisa. Mas tudo chegou a ficar assim e eu tô confusa.
Sempre temos a escolha de responder ou ignorar, temos todas as escolhas, eu tento ser o mais transparente possível, mas porque eu sou assim. Eu seguro até explodir e deu nisso.
Só fala comigo o que tem pra falar sabe, falar tudo, tudo que te chateou, que eu fiz, eu preciso saber, a gente se dá tão bem não tem porque ficar assim, pelo menos é o que eu acho.
Eu só queria um chá com você na cama e um baseado, conversas e o que tivesse que ser.
Mais nada.
É isso.
Beijos

27/04/18 02:39

Deitada aqui na minha cama, coloco uma playlist pra tocar. Sleep o nome. A primeira música eu sinto como que um preparo pra minha mente. A segunda música, me elevou de um jeito que eu não sei medir, não sei qual palavra usar pra descrever tal sensação que me exalta. Estou ouvindo pela segunda vez. Senti algo sair de dentro de mim, tive vontade de chorar. Mas sinto algo bom. Coloquei agora pela terceira vez e me sinto extasiada. E é muito bom. Sinto cada nota no meu corpo, é quase como flutuar, essa sensação que esse som me trás. Antes disso, no fim da primeira vez que essa música foi tocada, eu olhei uma fotografia. Vi aquele momento. Senti tantas coisas que não sei dizer, como medir algo que simplesmente se sente? Como definir em palavras pra que eu não esqueça da sensação, desse momento…

Bom, eu não sei definir, não preciso disso. Apenas escrevo o que sinto, e é assim. Ah, aquela fotografia. Foi tirada esses dias na Trajano. Estava com dois amigos, estamos sorrindo na foto, fazia Sol, o dia ia e ardia todo lindo, foi incrível.

Estou num estado tão intenso dentro de mim mesma, fui bem fundo. É incrível como a música me ajuda, me eleva, me acalma, me faz sentir coisas, que sozinha talvez não sentisse. É um sentimento que não cabe nas minhas palavras. Minhas mãos, meus dedos, não acompanham a velocidade que penso e viajo nesse mundo subconsciente.

Eu vi essa foto e essa imagem está na minha cabeça, bem nítida. Sinto uma paz, me sinto tão bem, tão feliz. Eu ajudei você amigo, eu sou tão feliz, tão grata por todas as pessoas que me aproximei esses dias. Agradeço por você estar bem, agradeço pelas pessoas estarem por perto, por estarmos ali, juntos, somando, comendo, amando, sendo pessoas.

Me encolhi no teu colo, ali fiquei, gostei. Eu estou com sono, já quase caí a cabeça pro lado algumas vezes, já são 02:54.

Só queria dizer que é muito bom falar com você. Vamos falar mais, abraçar mais,beijar mais.

21/03/18

04:56

Eu brilho
Eu sei…
Você sabe,
Eu tentei…
Eu sempre tentei.
(Eu tentei sentir).
Eu dei meu tudo
Mas você sempre queira mais
Mas a porta tá fechada.
Talvez eu ria
Talvez eu chore
Talvez eu grite

Vem tirar meu fôlego mais uma vez